Tudo começou com a deusa Athena e a lenda de seus cinco leais cavaleiros de bronze...


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Papo da semana

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Papo da semana em Qua Maio 06, 2009 11:16 am

Graal

avatar
Admin
Encontrei este texto DU CARAIO na net. E peço que dediquem alguns segundos a lê-lo! Fala de uma coisa que se tornou realmente uma carência em nosso estilo de vida pós-virada-de-milênio, tão notável mas não percebemos e quando vemos, enchemos o tempo com o nada ao invés do tudo.

Espiem só. Depois vou comentar a respeito:


"Eu li em um dos livros do Ruy Castro que, ainda mais legal do que unir o útil ao agradável, é unir o agradável ao agradável. Uma idéia carioquíssima. A exaltação do desfrute.

Há tempos venho ruminando sobre isso. Conheço muitas pessoas que vão ao cinema, a boates e restaurantes e parecem eternamente insatisfeitas. Até que li uma matéria com a escritora Chantal Thomas na revista República e ela elucidou minhas indagações internas com a seguinte frase: "Na sociedade moderna há muito lazer e pouco prazer".

Lazer e prazer são palavras que rimam e se assemelham no significado, mas não se substituem. É muito mais fácil conquistar o lazer do que o prazer. Lazer é assistir a um show, cuidar de um jardim, ouvir um disco, namorar, bater papo. Lazer é tudo o que não é dever. É uma desopilação.

Automaticamente, associamos isso com o prazer: se não estamos trabalhando, estamos nos divertindo. Simplista demais. Em primeiro lugar, podemos ter muito prazer trabalhando, é só redefinir o que é prazer. O prazer não está em dedicar um tempo programado para o ócio. O prazer é residente. Está dentro de nós, na maneira como a gente se relaciona com o mundo.

Chantal Thomas aborda a idéia de que o turismo, hoje, tem sido mais uma imposição cultural do que um prazer. As pessoas aglomeram-se em filas de museus e fazem reservas com meses de antecedência para ir comer no lugar da moda, pouco desfrutando disso tudo. Como ela diz, temos solicitações culturais em demasia. É quase uma obrigação você consumir o que está em evidência. E se é uma obrigação, ainda que ligeiramente inconsciente, não é um prazer.

Complemento dizendo que as pessoas estão fazendo turismo inclusive pelos sentimentos, passando rápido demais pelas experiências amorosas, entre elas o casamento. Queremos provar um pouquinho de tudo, queremos ser felizes mediante uma novidade. O ritmo é determinado pelas tendências de comportamento, que exigem uma apreensão veloz do universo.

Calma...

O prazer é mais baiano.

O prazer não está em ler uma revista, mas na sensação de estar aprendendo algo. Não está em ver o filme que ganhou o Oscar, mas na emoção que ele pode lhe trazer. Não está em faturar uma garota, mas no encontro das almas. Está em tudo o que fazemos sem estar atendendo a pedidos. Está no silêncio, no espírito, está menos na mão única e mais na contramão.

O prazer está em sentir. Uma obviedade que merece ser resgatada antes que a gente comece a unir o útil com o útil, deixando o agradável pra lá...!!!"


Jose Arreguy Pimentel


_________________
Ver perfil do usuário http://santuario-cdz.forumeiros.com

2 Re: Papo da semana em Qui Maio 07, 2009 6:37 am

"O prazer não está em ler uma revista, mas na sensação de estar aprendendo algo. Não está em ver o filme que ganhou o Oscar, mas na emoção que ele pode lhe trazer. Não está em faturar uma garota, mas no encontro das almas. Está em tudo o que fazemos sem estar atendendo a pedidos. Está no silêncio, no espírito, está menos na mão única e mais na contramão."

Sim, e ultimamente tenho tentado seguir dessa forma. Hoje as coisas andam tão rápido e o tempo fora do trabalho tão curto, que as pessoas tentam "aproveitar" seu tempo fora dele com diversos programas afim de melhor ocupa-lo. Mas se cansam, às vezes se frustram em filas enormes pra aproveitar apenas 1/5 do tempo que perdeu esperando, viajam e terminam trabalhando mais do que em seus empregos.

Eu tento fazer o que mais me apraz. Costumam dizer que não saio muito no meu tempo livre, que não o aproveito ficando em casa lendo livros ou simplesmente dando uma volta num lugar arborizado, sem fazer nada. O importante é sentir prazer no que faz. Se sentimos prazer no nosso trampo, até ele pode ser nosso maior lazer. (Eu particularmente, tenho me divertido bem mais lá do que em outros lugares).

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum